domingo, 2 de dezembro de 2012

MADALENA, A RENA PREGUIÇOSA


Era uma tarde de muito sol, e o bom velhinho andava preocupado em selecionar as renas para o Natal. Ele precisava escolher dez entre as cinquenta que se candidataram, não era tarefa fácil. Nove seriam titulares e ajudariam a puxar o trenó, e uma seria a suplente, para o caso de acontecer alguma baixa por questões de saúde, coisa muito comum nas renas natalícias, devido à inconstância das temperaturas no planeta Terra. Afinal, não é nada engraçado viajar por todo o globo terrestre numa só noite, enfrentando o verão em alguns lugares e o inverno noutros. Uma chatice. Porém…

…Depois de quase dois dias de avaliações, a escolha recaiu sobre: a Corredora, a Dançarina, a Empinadora, a Raposa, o Cometa, o Cupido, o Trovão, o Relâmpago, o Rodolfo e a Madalena. E lá foram as dez renas para os treinos.

A Corredora era a mais veloz de todas, a Dançarina parecia ter nascido com todo o conhecimento que existe sobre a música do mundo, pois dançava todos os estilos com classe e leveza, a Empinadora fazia brilhantes acrobacias no ar, a Raposa era matreira, sabendo desenvencilhar-se do maior perigo que encontrasse, o Cometa era também muito veloz, mas não conseguia perceber muito bem o significado de “curva”, o Cupido era romântico, derramado de amor por tudo e por todos, sempre querendo aproximar as pessoas, e os animais, para que fossem felizes, o Trovão era bravo, robusto, musculado, impondo respeito e mantendo a ordem, o Relâmpago era também um velocista, perito em grandes arrancadas do solo ao Céu, tanto que era ele que puxava a todos no momento sublime da escalada pelo ar, um verdadeiro e poderoso campeão em força e em rapidez, mas que possuía um único senão: quando chegava ao limite das suas forças saíam dele vários clarões que encandeavam a todos, quase parecendo um bastão de fogo de artifício, o Rodolfo era um perfeito galanteador, gostava de conquistar as renas mais bonitas e, principalmente, as solteiras, possuindo uma peculiaridade que o fazia enormemente popular: ostentava um vistoso nariz vermelho, um charme… e, por fim, a Madalena… bom… a Madalena era linda, tímida, veloz, simpática, ordeira, pontual, inteligente, porém… andava sempre calada. Nunca se ouvia, nunca proferia um som, por incrível que possa parecer: ninguém, nunca, teve o prazer de ouvir o timbre da sua voz.

A primeira semana de treinos decorre na maior normalidade. Aconteceram inúmeras palestras educativas, aulas de ballet para despertar a graciosidade de cada uma e estudos de etiqueta para lhes ensinar a levantar a cabeça com a altivez que o Natal merece. Só a Madalena teve maiores dificuldades pois era inexperiente em tudo, enquanto as outras eram já mais tarimbadas e compreendiam os ensinamentos com muito mais rapidez.

A segunda semana apresentou um certo grau de dificuldade para algumas, pois foram focados os exercícios de destreza na condução de um trenó. A Madalena foi a última a terminar a série de curvas e contracurvas obrigatórias, assumindo uma certa displicência ao ato de obedecer aos arreios que a mantinham segura ao trenó.

A terceira semana decorre com certa lentidão, pois o cansaço já era muito, sendo aprimorada a técnica da travagem brusca, coisa comum quando o bom velhinho estava a viajar pelos ares e se esquecia de parar numa chaminé. Inevitavelmente ocorria o famoso “prego a fundo” e lá iam as renas ao desespero… segurando toda a sua velocidade com as quatro patas estaticamente fincadas no ar. A Madalena, coitada, toda a vez que tinha que travar batia com o focinho na companheira que ia à frente… estava sempre distraída…

A quarta semana foi extenuante, consistindo de aulas práticas de paciência, pois, elas, as renas, precisavam de muita quando se tratava de desentalar o anafado velhinho de algum fumeiro mais apertado. Madalena, sempre ela, adormeceu em todas as aulas.

No dia 22 de dezembro estavam os presentes embrulhados e prontos para seguirem ao seu destino, pois os duendes, os gnomos e as fadas, todos ajudantes do bom velhinho, trabalharam arduamente para que tudo estivesse pronto a tempo e horas, porém, viria agora uma prova de fogo, o pai desse natalício momento decidira experimentar o trenó com o peso que teria no dia das entregas, fazendo com que as renas sentissem qual seria o grau de dificuldade que as esperava daí a dois dias. Elas, puseram-se, então, a transportar prendas do armazém nº 1 para o armazém nº 2 em trenós individuais, e a coisa correu melhor do que se esperava. Menos para a Madalena, que demorou o dobro do tempo das companheiras… pois não se conseguiu entender com o guizo colocado no seu pescoço… dizia que lhe dava sono!

No dia 23 daquele mês natalino um banho de sais manteve a boa disposição das dez renas, além de muita alfafa fresquinha e água cristalina para as goelas. Madalena adormeceu na banheira. Quando acordou, a alfafa estava murcha e a água turva.

O dia 24, o grande dia, começa de forma airosa: o bom velhinho decidira que todas as renas deveriam dar uma bela e revigorante caminhada por uma planície da Lapónia, para exercitar os músculos e oxigenar os pulmões. Assim foi. Quando voltaram, um tépido banho morno as aguardava, além de uma excelente salada de milho, aveia e alfafa. Quando voltaram, quer dizer… a Madalena não voltou… tiveram que a ir buscar a um ponto distante, pois adormecera encostada a uma pedra enorme.

Agora todos os leitores perguntam: Qual foi o motivo que levou o bom velhinho a escolher a Madalena, se ela é uma rena um pouco diferente, um pouco calada e… aparentemente preguiçosa…? A resposta é simples: Madalena é a rena da bondade. É aquela que ajuda a todos nos momentos mais difíceis, a que divide o alimento, a que auxilia os mais fracos, a que conforta os que sofrem, a que anima os que estão tristes. Madalena é só coração! E, se não bastassem essas qualidades, teve uma que a consagrou em definitivo, o bom velhinho explicou a todos, enquanto bebiam chá junto à enorme lareira da sua casa, que a Madalena era a única, entre todas as concorrentes, que sabia que o Natal é a comemoração do nascimento de um menino muito importante para a história da Humanidade, um menino chamado Jesus! E que seria ela a líder de toda a comitiva quando cruzassem os Céus.

Ah… E ele disse, também, uma coisa que fez com que todos esbugalhassem os olhos: que ela era uma espécie de Enviada de Deus, e que tinha sido o próprio Jesus a ensinar-lhe tudo o que ela sabia sobre a Bondade e o Perdão.

Pronto. Foi a loucura completa: as renas, os duendes, os gnomos e as fadas, todos, em coro, num feroz ataque de riso, humilharam-no. Um dos gnomos, retirando o chapéu e fazendo uma vénia, em tom de galhofa diz que ele deveria estar a ficar meio doidinho. Santa Claus, o bom velhinho, achou por bem “enfiar a viola no saco” e calar-se.

Madalena, que tudo tinha escutado, inconformada por ninguém levar a sério o que fora dito, ainda pensou em fazer algo para as tentar convencer, porém, desistiu da empreitada, aninhando-se junto ao crepitar do fogo.

Noite alta. Ao aproximar-se a hora em que todas as crianças devem estar a dormir profundamente, Santa Claus, o bom velhinho confirma que os trenós estão carregados com milhões de presentes, depois, vira e revira os olhos várias vezes para verificar se as renas estão a postos, se estão alimentadas, se levam mudas de roupa para o caminho. Será uma viagem rápida, a volta ao mundo deve ser feita em poucos minutos, porém, como se sabe, a inconstância da temperatura exige trajes adequados para cada setor do globo terrestre. Garboso, toma assento no trenó principal, aquele que tem Madalena na dianteira, na liderança, e, em pé, comunica que aguarda apenas que a estrela mais brilhante anuncie que chegou a hora de embarcar para o momento mais importante do ano, aquele que trará alegria ao coração de milhões de crianças.

Dito isto, um clarão dourado corta a respiração de todos, os olhos encaminham-se para o Céu constelado e, num ápice, uma estrela arisca rompe o firmamento, ouve-se ao longe o bimbalhar de uns sinos e aquilo que parece ser um choramingar infantil.

Madalena, a rena que nunca fala, a rena da bondade, a que ajuda a todos nos momentos mais difíceis, a que divide o alimento, a que auxilia os mais fracos, a que conforta os que sofrem, a que anima os que estão tristes, a que é só coração, pela primeira vez abre a boca e diz numa única frase:

- Nasceu o menino Jesus! Vamos. Temos muito trabalho pela frente.

E ela, determinada, com uma força nunca vista, com graciosidade e altivez, eleva-se, numa arrancada firme e cheia de propósito. Deixando atrás de si, como um rasto, por todos os lugares por onde passa, um tapete de flores coloridas que lhe saem das patas.

*

1 comentário:

Miguel Pestana disse...

Olá caro Luís.
É escritor? Tem um livro sobre Saramago?
Está à venda em Portugal?

abraço

http://silenciosquefalam.blogspot.pt/

Enviar um comentário