sábado, 15 de junho de 2013

Traços Imprecisos



Esta manhã tive uma conversa séria e objetiva com um par de calças. Fui obrigado a dizer-lhe uns quantos impropérios, coisas que nem ouso escrever aqui, pois não sei a idade das pessoas que poderão ler estes rabiscos.

Confesso que não foi um diálogo nada fácil. Comecei por apontar-lhe alguns defeitos, como o de rasgar, além da conta, nos joelhos, depois da última ida à máquina de lavar. Sobre isso, ouvi uma resposta seca, do tipo “já me compraste rasgada”. E eu, sem titubear, fui obrigado a dizer-lhe que se não fosse o raio da moda que me obrigaram a meter goela abaixo, com certeza, não as compraria. Fui, imediatamente, chamado de volúvel, e de ser facilmente manipulável. Fiquei irado. Não bastava uma voz feminina a encher-me a cabeça, todos os dias, com o raio da moda, agora tenho que aturar, também, um par de calças insolente.

Quando alguém começa a irritar-me, dificilmente consigo olhar com bons olhos a nossa convivência, aliás, raramente o dia-a-dia volta a ser de equilíbrio, sensatez e com aquela política doméstica de boa vizinhança, que deve manter a ordem na casa. A vontade passa a ser uma só: a de aviar-lhe as malas e dizer-lhe que vá procurar pouso em outro lugar, neste caso seria: procurar cabide em outro armário.

Olhei profundamente para a sua cor azul desbotada, preparando-me para um ultimato feroz e definitivo, porém… veio à minha memória uma série de aventuras que vivemos juntos, umas belas taças de bom tinto com algumas amigas, um e outro encontro fortuito onde não fui o único a sair com um ar de felicidade no rosto (lembro-me bem daquele fecho éclair, com todos os dentinhos metálicos arreganhados de felicidade, por ter encontrado um zíper perfeito, e juntos, enrolados, num sofá, curtindo uma madrugada de abertura e fecho completamente louca).
 
Com a passagem dos minutos confesso que comecei a olhar para aquele par de calças com um saudosismo quase patético. Como podia então dizer-lhe tudo o que vinha em catadupa? Não consegui. Os momentos bons foram muito superiores a qualquer desavença que possa ter existido. Decidi por uma trégua. Acariciei-lhe as costuras e pendurei-a com todo o carinho no melhor cabide que encontrei, percebendo discretamente um suspiro de alívio e de agradecimento…

Se existe uma culpada, pelos rasgos aumentados naquelas calças, sem dúvida, só pode ser a máquina de lavar roupa, com aqueles movimentos sem emoção… Hummm… Vou até ali, para ter uma conversinha de pé de orelha com aquela maquineta…

Sem comentários:

Enviar um comentário